Mogli, o menino lobo.

Eu não conheço sequer uma pessoa que não tenha sido marcada pela Disney em algum momento da vida. Seja por um filme, por uma lição, um desenho ou pelos parques maravilhosos que são sonhos de destino, de todos.

 

Eu sou meio suspeita para falar e juro que venho tentando não soterrar vocês com assuntos Disney, até porque nos últimos meses é só sobre o que eu falo; Desculpa migos, desculpa família.

 

dfse

 

Eu tenho uma lista enorme de filmes preferidos, e nessa lista, muitas animações que me marcaram, e hoje vou falar de Mogli, o menino lobo.

Acho que todo mundo aqui já viu essa animação, não? O original de 1967 era um dos meus filmes preferidos, e até hoje quando vejo meu avô ele me diz que eu vivia cantando:

 

‘’Eu uso o necessário. Somente o necessário. O extraordinário é demais. Eu digo necessário. Somente o necessário’’

 

 

Na realidade eu cantava necessalio, mas tudo bem…

 

mogli018

 

Mas vamos falar sobre o remake, de 2016, que me fez chorar hoje do começo ao fim. O filme que chegou a poucos dias no Brasil conta uma história um pouco diferente da original, mas manteve a mesma essência.

Os personagens icônicos estão presentes, porém a parte musical não foi tão levantada e a presença dos homens ficou de lado, diferente da versão original.

 

mogli_baloo Mogli-O-menino-Lobo

 

Mas a parte mais incrível desse filme é ver seus personagens preferidos ganhando vida. É você assistir algo que assistia quando criança e ainda se lembrar das canções, dos personagens e do enredo. O mais incrível é a sensação de nostalgia que bate e a emoção de ver a nova geração sendo marcada pela mesma história que a minha geração foi.

 

5145490.jpg-r_x_600-f_jpg-q_x-xxyxx 5148620.jpg-r_x_600-f_jpg-q_x-xxyxx

Adoro Cinema

 

Eu super indico para todos os jovens, para os papais e mamães, para todos os adultos e crianças +10 assistirem a esse filme hoje, amanhã, JÁ. Assistam, chorem, riam, se emocionem, amem.

 

É uma bela viagem no tempo.

 

Comentar via Facebook

Comentário(s)

No Comments Yet.

Leave a comment